O que fazemos – Pesquisa

O Núcleo de Pesquisa e Ensino NUPE-AMBULIM foi estabelecido em agosto de 2017 com objetivo de estimular a produção acadêmica do nosso corpo clínico, o desenvolvimento de projetos de pós-graduação e de publicação de artigos. A partir de oficinas acadêmicas e de reuniões de apresentações cientificas que contam com a participação de profissionais pós-graduados na supervisão, ensino e orientação dos projetos. Atualmente contamos com três orientadores cadastrados oficialmente em programas de pós graduação da USP:

  • Prof. Dr. Táki Athanássios Cordás – Fisiopatologia Experimental (FMUSP) e Neurociência e Comportamento (NEC-IP-USP)
  • Profa. Dra. Karin Dunker – Fisiopatologia Experimental (FMUSP)
  • Profa. Dra. Paula Costa Teixeira – Neurociência e Comportamento (NEC-IP-USP)
  • Prof. Dr. Felipe Quinto Luz – Ciências Médicas (FMUSP)

Os interessados em fazer pesquisas com nosso grupo devem participar dos processos seletivos que acontecem em nossas oficinas científicas.

COMO FUNCIONAM AS OFICINAS ACADÊMICO-CIENTIFICAS?

A partir de 2019, o NUPE-AMBULIM oferece oficinas, com aulas semanais, que auxiliam na elaboração e desenvolvimento de projetos científicos, a fim de colaborar no desenvolvimento de novos pesquisadores. As oficinas acontecem anualmente, com vagas limitadas, na modalidade online e contam com um processo seletivo. Os candidatos precisam comprovar alguma experiência clínica com os transtornos alimentares, pesquisas ou ter feito curso de aprimoramento no assunto. O processo seletivo acontece entre os meses de outubro e novembro (você pode acompanhar na aba Cursos), e o início do percurso no ano seguinte.

Para maiores informações escreva para nupeambulim@gmail.com

Nossos grupos de pesquisas

PROTADPrograma de Atendimento, Ensino e Pesquisa em Transtornos Alimentares na Infância e na Adolescência

Grupo responsável pela avaliação e pelo acompanhamento de variáveis clínicas nos pacientes admitidos pelo programa, tanto na modalidade ambulatorial quanto internação, para produção de evidências científicas em transtornos alimentares na infância e na adolescência. A coordenação de pesquisa  é feita nutricionista Juliana Bergamo Vega.

PROCASOPrograma de Pesquisa em Compulsão Alimentar, Sobrepeso e Obesidade

Este grupo de pesquisa trabalha no projeto intitulado “Desenvolvimento de um programa de tratamento melhorado e acessível para pessoas com transtorno de compulsão alimentar e sobrepeso ou obesidade comórbida”, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP – processos no 2018/18028-2 e 2019/14622-0). O projeto é liderado pelo psicólogo Dr. Felipe Quinto Luz.

PROJETO AGATA – Análise de Genes Associados aos Transtornos Alimentares

Esse projeto de pesquisa realiza discussões e análises de polimorfismos de genes do sistema monoaminérgico e de regulação do apetite associados aos transtornos alimentares. O grupo é liderado pela nutricionista Dra. Sophie Deram.

Grupo de Estudo e Pesquisas em Terapia Comportamental Dialética DBT (Dialetical Behavior Therapy)

Este grupo de pesquisa, assistência clínica e treinamento é responsável pelas adaptações, traduções e diretrizes da comissão de DBT dos Transtornos Alimentares no Brasil – DBT Brasil. O nosso grupo trabalha nos eixos de pesquisa da aplicação de DBT em pacientes graves e com múltiplos diagnósticos, assistência clínica dentro do AMBULIM e no treinamento de profissionais da saúde. O grupo é liderado pelo psicólogo Fellipe Augusto de Lima Souza.

GRUPO DO CORPO E IMAGEM CORPORAL

Este grupo interdisciplinar realiza estudos e pesquisas sobre avaliação e tratamento da distorção da imagem corporal; prática de exercício disfuncional, e aplicação de protocolos de exercício intuitivo para os pacientes ambulatoriais. O grupo é coordenado pelas profissionais Dra. Bianca Thurm (fisioterapeuta) e Profa. Dra. Paula Costa Teixeira.

NEPEF – NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ÉTICA E FELICIDADE DO PROGRAMA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES 

O grupo tem como missão estudar, nos diferentes campos do conhecimento, as questões ligadas à ética e à felicidade. Os profissionais visam trabalhar habilidades que promovam um fortalecimento emocional no indivíduo, contribuindo para a busca de uma sociedade mais próspera, resiliente e compassiva. O compromisso com as inovações das pesquisas das neurociências nessas áreas contribui para ajudar as pessoas a aplicarem os conhecimentos do bem-estar em suas vidas pessoais e profissionais. Estudos em felicidade apontam que a saúde emocional influencia na saúde física. Pacientes com transtornos emocionais se beneficiam de práticas ligadas à promoção de felicidade e isso interfere positivamente na qualidade de vida e prognóstico do transtorno psiquiátrico. Uma consciência do bem-estar emocional e social pode levar os indivíduos a agir com bondade e compaixão, encorajando o bom desenvolvimento da ética e da felicidade nas futuras gerações. O grupo é liderado pelo Prof. Dr. Táki Athanássios Cordás.

Escalas para pesquisas em transtornos alimentares

Na esperança de contribuir com uma maior qualidade e construir uma rede de pesquisadores parceiros interessados em desenvolver o campo cientifico dos transtornos alimentares no Brasil, disponibilizamos aqui algumas das referências que contém escalas e questionários validados sobre diversos temas que interessam a área.

As escalas que não estão disponibilizadas aqui para download, precisam ser solicitadas diretamente para os autores responsáveis pela publicação.

Se você é um autor de uma escala relacionada ao assunto, você pode solicitar a inclusão nesta relação e ajudar-nos a manter esta rede cientifica. Envie suas informações para o e-mail nupeambulim@gmail.com

  • Depression Anxiety and Stress Scale (DASS-21) - Escala de Depressão, Ansiedade e Estresse

    A escala avalia a afetividade negativa em três fatores: depressão, ansiedade e estresse.

    Referência: MARTINS, B. G.; SILVA, W. R.; MARÔCO, J.; & CAMPOS, J. A. D. B. Escala de Depressão, Ansiedade e Estresse: propriedades psicométricas e prevalência das afetividades em universitários. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.68(1), p.32-41, 2019
    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI

  • Intuitive Eating Scale-2 (IES-2) – Escala de Alimentação Intuitiva

    A escala avalia a tendência de perceber os sinais fisiológicos de fome e saciedade, comer por razões físicas e não emocionais, confiança em sinais de fome e saciedade e congruência na escolha alimentos, além de conter perguntas sobre a relação com o corpo.

    Referência: DA SILVA, W. R.; NEVES, A. N.; FERREIRA, L.; CAMPOS, J. A. D. B.; & SWAMI, V. A psychometric investigation of Brazilian Portuguese versions of the Caregiver Eating Messages Scale and Intuitive Eating Scale-2. Eat Weight Disord, v. 23(86), p. 1-10, 2018.
    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI

  • Body Shape Questionnaire (BSQ) – Questionário de Preocupação com a Forma do Corpo

    A escala avalia preocupação com a forma do corpo.
    Referência da versão em português conciliada entre Brasil e Portugal: SILVA, W. R.; COSTA, D.; PIMENTA, F.; MAROCO, J.; & CAMPOS, J. A. D. B. Psychometric evaluation of a unified Portuguese-language version of the Body Shape Questionnaire in female university students. Cad Saúde Pública, v.32(7), p.1-13, 2016.
    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI 

  • Exercise Dependence Scale–Revised (EDS-R) - Escala de Dependência de Exercício Físico-Revisada

    A escala avalia sintomas psicológicos de dependência do exercício físico.

    Referência: Vasconcelos IC, Alchieri JC. Tradução e análise teórica da escala de dependência de exercício físico. FIEP Bull. 2010;80:1-6.
    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI

  • Satisfaction with Life Scale (SWLS) - Escala de Satisfação com a Vida

    A escala avalia o julgamento cognitivo global de satisfação com a própria vida.

    Referência: GOUVEIA ,V.V.; BARBOSA, G.A.; ANDRADE, E.O.; & CARNEIRO, M.B. Measuring life satisfaction among physicians in Brazil. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2005;54(4):298-305.
    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI

  • FEMALE MUSCULARITY SCALE (FMS) - ESCALA DE MUSCULARIDADE FEMININA

    A escala avalia preocupações com a muscularidade em mulheres por meio de dois fatores: atitudes e comportamentos relacionados à muscularidade.

    Referência: CAMPOS, Priscila Figueiredo. Adaptação transcultural e avaliação psicométrica da Female Muscularity Scale: uma análise em mulheres brasileiras fisicamente ativas e insuficientemente ativas. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2019.

    Clique aqui para acessar a dissertação

    Download PDF: AQUI

  • DRIVE FOR MUSCULARITY SCALE (DMS) - ESCALA DE BUSCA PELA MUSCULARIDADE (versão para mulheres)

    A escala avalia a busca pela muscularidade (do original: drive for muscularity).

    Referência: CARVALHO, Pedro Henrique Berbert de, et al. Is the Drive for Muscularity Scale a valid and reliable instrument for young adult women?. Body Image, v. 29, p. 1-5, 2019.

    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI

  • MALE BODY DISSATISFACTION SCALE (MBDS) - ESCALA DE INSATISFAÇÃO CORPORAL MASCULINA

    A escala avalia a insatisfação corporal de homens.

    Referências:

    CARVALHO, Pedro Henrique Berbert de, et al. Equivalências conceitual, semântica e instrumental: análises preliminares da versão em português (Brasil) da Male Body Dissatisfaction Scale (MBDS). Cadernos de Saúde Pública, v. 29, p. 403-409, 2013.

    Clique aqui para acessar o artigo.

    CARVALHO, Pedro Henrique Berbert de, et al. Psychometric assessment of the Brazilian version of the Male Body Dissatisfaction Scale. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), v. 42, n. 4, p. 90-94, 2015.

    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI

  • STUNKARD’S FIGURE RATING SCALE - ESCALA DE SILHUETAS DE STUNKARD (VERSÃO PARA HOMENS)

    A escala avalia a insatisfação corporal de homens.

    Referência:

    CONTI, M. A. et al. Stunkard figure rating scale for Brazilian men. Eating and Weight Disorders-Studies on Anorexia, Bulimia and Obesity, v. 18, n. 3, p. 317-322, 2013.

    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI

  • MUSCLE DYSMORPHIC DISORDER INVENTORY (MDDI) - INVENTÁRIO DE TRANSTORNO DISMÓRFICO MUSCULAR

    A escala avalia sintomas de dismorfia muscular por meio de três fatores: busca pelo tamanho (itens: 1, 4, 5, 6 e 8), intolerância à aparência (itens: 2, 3, 7 e 9) e comprometimento funcional (itens: 10, 11, 12 e 13).

    Referência:

    GOMES, Vivianny Maria Gonçalves Moura. et al. Psychometric Properties of the Muscle Dysmorphic Disorder Inventory Among Physically Active Brazilian College Men. Psychology of Men & Masculinities. Advance online publication.

    Clique aqui para acessar o artigo.

    Download PDF: AQUI